Itatiba - FOB faz a maior exposição de canários do mundo


Uns gostam de cão, outros de gato e outros de canários nas gaiolas, bem preso. Para os criadores dessas aves não se trata apenas de um hobby mas sim de um lucrativo negócio . Extremo egoísmo e insensatez dos criadores já que pássaros precisam de liberdade e jamais deveriam ser engaiolados. O que visam na verdade é a venda dos pobres canários, mas costumam dizer que é apenas um hobby.

Apaixonados e de olho nos lucros pelas diferentes cores das plumagens e pelos cantos afinados, de todas as regiões do Brasil, participam, com suas aves, a partir desta quinta-feira, 11, da segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Ornitologia, que acontece em Itatiba, no Centro de Eventos da FOB (Federação Ornitológica do Brasil).
Serão 20 mil canários para a competição, do dia 11 a 17 de julho, e outros 20 mil para vendas. A exposição dos pássaros ficará aberta, gratuitamente, ao público, nos dias 18, 19 e 20.
O Campeonato Brasileiro de Ornitologia, organizado pela FOB (Federação Ornitológica do Brasil), é reconhecido mundialmente e oferece maior exposição de canários do mundo, como se isso fosse algo a se teralgum orgulho.
Segundo o diretor executivo da FOB, Guido Nardi, a expectativa é que cerca de 10 mil pessoas visitem a exposição, sim dez mil pessoas que naturalmente comprarão aves para ouvir seu lamento na gaiola pendurada em um canto qualquer da casa. Compradores são tão responsáveis quanto os criadores de aves, já que através desse comércio absurdo é que o tráfico de animais silvestres só perde para o tráfico de drogas e arma.

Destaques
A grande atração da exposição são os canários de cor. Devido a mutações genéticas, eles deixaram de ter a cor verde original e hoje apresentam mais de 500 cores. Há mais de 300 anos, vivem em viveiros, já que na natureza seriam alvos fáceis de predadores, devido às suas cores chamativas.
Os canários frisados, uma mutação originária da França, na qual as penas crescem eriçadas, serão outro destaque do evento.

Ao contrário do que muitos imaginam, os canários de canto representam apenas 1% do total de pássaros do campeonato. Eles exigem cuidado especial na criação para que aprendam os cantos clássicos e, curiosamente, cantam de bico fechado.
As fotos mostram também o "destaque" do que os organizadores chamam de hobby. 

Instituto Cahon

imagens do site da www.fob.org.br - Federação Ornitológica do Brasil

5 comentários:

  1. So nao fala mais idiotice porque ate pra isso seu cérebro é limitado, hein!!!

    ResponderExcluir
  2. Primeiramente parabéns pelo belo texto , deixa claro a superficialidade com que tratas o assunto , sem quaisquer embasamento ou aprofundamento .

    Quando citas a referida exposição , esteja ciente que não se tratam de aves silvestres como queres que fique relacionado , são aves domésticas , criadas em cativeiro , e ao contrario do que pensas , a criação em cativeiro não incentiva o tráfico de aves , muito pelo contrário , as pessoas que ali estão são contra esse tipo de tráfico e agem de acordo com as leis e legislações sanitárias assim como ambientais . Não queira comparar criadores de canários com traficantes de aves , são papéis bem distintos ...

    ResponderExcluir
  3. Se informe antes de publicar tanta asneira. Não são aves silvestres, cidadão. Há séculos são criadas em cativeiro!

    ResponderExcluir
  4. Se informe antes de publicar tanta asneira. Não são aves silvestres, cidadão. Há séculos são criadas em cativeiro!

    ResponderExcluir
  5. Todos tem direito a sua opinião, no entanto quando atacam algum setor da sociedade sem ser deveras conhecedor do que fala, ai infelizmente estamos tratando não com pessoa racional, mas com alguém que para poder aparecer em algum momento de sua pobre vida escreve besteiras sem embasamento e com a indignação que nos gera acaba tendo seu momento de holofotes. Que pena, ele não consegue luz própria, daí precisa destes pequenos momentos para se sentir vivo. Eu prefiro deixar sua luz apagar e continuar com a nossa de criadores muito bem acesa. Vamos desligar a luz dele. Elaudir Werner Bottcher

    ResponderExcluir